Mapas Mentais: Como eles podem te ajudar?

Se você já teve oportunidade de participar de uma cerimônia de casamento você já sabe que tal cerimônia, em si, é o resultado bem sucedido de uma verdadeira maratona de atividades e acontecimentos anteriores a ele, todas pensadas e desenvolvidas com um único fim, que é a realização exitosa do evento.

Para o casamento, os noivos, suas respectivas famílias, convidados e operadores em geral (celebrante, decoradores, cozinheiros, assistentes etc.) coordenam uma lista larguíssima de coisas a fazer para que tudo possa sair como planejado. Muitas dessas ações são realizadas concomitante e simultaneamente, caso o contrário, o fim não se alcança no tempo ou como desejado.  Por exemplo, a noiva pode estar fazendo provando o vestido e ao mesmo tempo coordenando a lista de convidados e ou mesmo fazendo os contatos.  Se tiver contratado uma empresa, certamente vai estar uma relaxante massagem ou um num banho de lua, mas com certeza, estará detalhando com as madrinhas como resolver esse ou aquele probleminha para não melindrar algum convidado.

Assim, um casamento, como evento, é um claro exemplo para ajudar a você a entender os métodos usados para ordenar idéias, dentre eles, o mapa mental, e qual é o objetivo deste na vida cotidiana de cada pessoa.

No dia a dia, sempre estamos envolvidas em diversas atividades, ora agindo de modo espontâneo, fazendo literalmente tudo que nos vem à mente ao mesmo tempo – e às vezes, morrendo na praia, sem alcançar o objetivo, ou tentando nos planejar, mentalizando uma a uma as diversas ações  de uma enorme lista, e perdendo muita energia e tempo na execução linear das etapas até alcançar o objetivo.

Como alternativa entre os dois métodos (espontâneo e o linear), surge o mapa mental mostrando que as pessoas podem aprender a utilizar melhor o potencial da mente para pensar e organizar as idéias.

Além de organizar e planejar as ações a serem realizadas, o mapa mental ajuda a potenciar a criatividade, administrar o tempo e obter uma visão global de um determinado assunto.

O que é um mapa mental

Mas o que é um mapa mental? Em poucas palavras, um mapa mental é um método para organizar idéias usando ao máximo as capacidades mentais de uma pessoa ou grupo.

O mapa mental é obtido e desenvolvido em torno de uma palavra ou frase, situado no centro, para estimular ideias, palavras e conceitos. Em outras palavras, um mapa mental é um diagrama usado para representar palavras, ideias, desenhos, cores, tarefas, ou qualquer outro conceito interligados e dispostos radialmente ao redor de uma palavra chave (uma ideia central).

O método de ordenar ideias por diagramas vem sendo utilizado para gerar, estruturar e classificar ideias e projetos, e como ferramenta para estudar, planejar, organizar, solucionar problemas e tomar de decisões.

O sistema convencional para tomar notas (trabalhar ou pensar um determinado tema) é linear, ou seja, disponibiliza um pensamento após o outro. Por sua vez, um mapa mental se trabalha as informações de modo radial a partir de uma ideia central. É a partir dessa ideia central (palavra) que se irradia uma série de linhas curvas ou galhos, inicialmente sem hierarquia com ideias associadas (uma verdadeira chuva de ideias).

Quem pode usar

Sem muita complexidade, o método do mapa da mente pode ser usado por qualquer pessoa e para qualquer situação ou objetivo, desde o pessoal e familiar (planejar uma viagem de seus sonhos, por exemplo), educativo e empresarial. Serve tanto para ajudar a você a tomar notas naquela aula ou palestra tão importante para você, como para chegar a uma conclusão sobre um dilema ou uma dúvida (chuva de ideias).

Este método pode ser muito estratégico para quem precisa estudar, seja para prestar provas regulares da escola, ou concursos, ou mesmo vestibular, dado a sua capacidade de permitir que uma pessoa possa estudar de forma eficiente e Memorizar más facilmente, ganhando tempo e eficácia.

A origem

O método do mapa mental foi popularizado pelo apresentador inglês da BBC TV e escritor de vários livros sobre psicologia popular, Tony Buzan, a partir da associação de idéias e o desenvolvimento da imaginação.

Ele afirma que a ideia foi inspirada na teoria da Semântica Geral, do norte-americano Alfred Korzybski, bastante popularizada em novelas de ficção científica de autores como Robert A. Heinlein e AE van Vogt, principalmente. Ele também utiliza conhecimentos populares sobre os hemisférios cerebrais para defender o uso da cartografia mental como forma diferente de fazer anotações.

Como funciona um mapa da mente

mapas mentais universidade

O método do Mapa mental está baseado nos princípios da associação e imaginação e sua estrutura inspira-se nos sistemas orgânicos do ser humano, como, por exemplo, as células do cérebro – crescendo a partir de dentro (núcleo ou palavra, imagem central) para fora, de forma dinâmica e radial, estimulando a criação de novas idéias interconectados por galhos.

Palavras-chave – Como uma célula, em cada ramo (galho) é colocado uma única palavra-chave, pois desta forma pode-se abrir todas as possibilidades para o pensamento chave em estudo. Podem ser usados ainda desenhos, imagens ou símbolos que representam o pensamento chave em cada galho. Se várias palavras ou imagens são usadas no mesmo ramo, várias idéias estariam misturadas, prejudicando a liberdade de associação.

Galhos – Em um mapa mental, as ideias irradiam-se de um pensamento chave (uma palavra ou uma imagem, como dito anteriormente) através de vários galhos, como de uma árvore. Os galhos do mapa mental permitem seguir facilmente uma linha de pensamento. Além disso, a grossura de um galho permite diferenciar as ideias principais das secundarias e sucessivas. Estes galhos também começam mais grossos (ideias de maior força) e ficam mais finos nos extremos (ideias de menor força).

No geral, o método de criação de mapas mentais pode ser utilizados para:

  • Resolução de problemas
  • Esquema e esboço de um projeto
  • Colaboração anônima
  • União de palavras e imagens
  • Expressão individual de criatividade
  • Condensação de material em um formato conciso e memorável
  • Trabalho em equipes e formação de atividades de sinergia

Como criar um mapa mental

Você pode criar um mapa mental em qualquer lugar e situação, seja criando um rascunho durante uma explanação de alguém, seja um trabalho mais elaborado e com tempo disponível. Isto, por que um mapa mental pode ser desenhado livremente à mão, sem necessitar equipamentos ou instrumentos especiais para isso.

Com papel, lápis de cores, cola, recortes de revistas e uma borracha (para quando for preciso repensar uma ideia já inclusa), você poderá criar uma verdadeira obra-prima. Com algumas orientações básicas em mente, você só precisa mesmo praticar.

A seguir, mostrando as principais recomendações para você tirar melhor proveito possível de suas horas de estudos. As diretrizes servem obviamente para qualquer outra necessidade de se organizar ideias.

1.  O primeiro passo para criar seu mapa mental é determinar a ideia principal. Em seguida, no centro da folha, escreva uma palavra-chave (o objetivo), desenhe uma imagem ou um símbolo que represente esta ideia. Você pode combinar palavra + imagem, mas nunca duas palavras ou imagens diferentes, ou seja, duas ideias.

Vamos usar como exemplo a palavra CINEMA.

O uso de imagens estimula a imaginação e melhora a memória, o cérebro lembra-se de fotos com mais facilidade do que as palavras.

2. Desenhe o primeiro galho principal, utilizando uma linha, grossa e pinte com qualquer cor. A linha não precisa ser reta, você pode usar curvas e outros recursos gráficos para se divertir, enquanto trabalha.

Apesar de nada impede que um mapa mental possa ser desenhado em uma única cor, o recomendado é usar diversas cores, pelo menos três, pois elas reforçam associações, estimulam a criatividade e fazem com que o mapa seja mais divertido.

Ex: Primeiro galho: o que é?

3. Siga desenhando galhos para cada palavra-chave/imagem, colocando cada uma delas em um galho principal individual. Estas serão as ideias básicas de ordenação.

Para orientar-se nessa etapa de busca de complementações importantes para o seu tema procure responder as famosas perguntas básicas de uma narrativa: o que, como, quando, onde, qual, para que, e por que.

As respostas devem ser distribuídas em torno do foco temático, usando cores mais intensas (ideias principais). Delas, se derivam outras idéias secundárias relacionadas; como casos ilustrativos, dados estadísticos, referências exemplos etc.

Ex:  Outros galhos: gêneros – equipe técnica – histórias – personalidades etc.

4. Use imagens, símbolos, códigos na elaboração de seu mapa mental. Mapas mentais usam uma combinação de palavras-chave, cores, símbolos e desenhos interconectados e/ou conectados diretamente a imagem central.

5. As linhas (galhos) devem estar conectadas, a partir da imagem central. Para linhas centrais, traços mais grossos e para linhas secundárias, traços mais finos.

6. Vá acrescentando mais níveis de acordo com novos pensamentos-chaves relacionados com as ideias básicas. Use a hierarquia radial, em forma de ramificação do foco temático. Quanto mais próxima estiver uma ideia do foco temático maior relevância terá, e vice-versa.

7. Pronto. Você já tem seu primeiro mapa mental. Observe que ele agora mostra um conjunto de ideias de forma clara e organizada, de tal modo que você ou qualquer outra pessoa pode obter um resumo de um tema a estudar.

O mapa mental ajudará na sua capacidade de análises. Afinal, com as informações importantes pertinentes a um tema ordenadas representadas de maneira gráfica, será muito mais fácil ter uma compreensão global e fixar conhecimentos.

Quanto estiver fazendo um mapa mental de um determinado assunto, lembre-se de soltar a criatividade. Não se prenda a modelos gráficos de outros. Desenvolva seu próprio estilo pessoal de cartografia mental.

Sinta-se como Leonardo da Vinci e suas anotações que de tão ricas em detalhes, imagens, códigos e linhas relacionados a conceitos hoje são consideradas obras de arte.

Da Vinci se permitiu desenvolver seu cérebro para nada menos que sete diferentes áreas profissões (áreas de conhecimento).